O Presidente da AREV “urgentemente” pede aos 27 ministros da agricultura da União Europeia que activem fundos adicionais para o sector do vinho

O Presidente da Assembleia das Regiões Europeias Vitícolas (AREV) salientou que “travará a batalha” para assegurar que “há algum tipo de determinação” a este respeito e apelou que “neste momento de emergência, a atenção não deve ser desviada e que deve haver uma resposta da União Europeia”.

O presidente da Assembleia das Regiões Europeias Vitícolas (AREV), Emiliano García-Page, avançou ontem, durante um acto do Governo de Castilla-La Mancha, do qual é o chefe, que solicitou “urgentemente” aos 27 ministros da Agricultura da União Europeia a activação de fundos adicionais e específicos para o sector vitivinícola. Desta forma, através de uma carta, García-Page solicitou o apoio dos Estados-membros “para tomar decisões de apoio ao sector vitivinícola”, afectado pelas consequências da pandemia, pelas tarifas dos Estados Unidos e, em última análise, por uma onda de frio árctico que atingiu grande parte das vinhas continentais.


É de notar que na última reunião do Conselho de Agricultura e Pescas (AGRIFISH), realizada no final de Março, na qual o Ministro espanhol da Agricultura, Luis Planas Puchades, apresentou um pedido de apoio financeiro extraordinário e adicional para recuperar o sector vitivinícola europeu, a Comissão Europeia manifestou a sua disponibilidade para analisar a proposta espanhola no próximo Conselho de Ministros da Agricultura da UE, apoiado então por 15 estados membros (Alemanha, Áustria, Bulgária, Croácia, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, França, Grécia, Hungria, Itália, Malta, República Checa e Roménia), que representam mais de 96% da produção total de vinho da UE na colheita de 2020/2021, de acordo com dados publicados pela DG AGRI[1].

Neste contexto, e em relação a este pedido e às medidas a serem discutidas pelos chefes da Agricultura dos Estados membros na próxima reunião do Conselho de Agricultura e Pescas (AGRIFISH), a ter lugar a 26 e 27 de Abril, o presidente da AREV sublinhou que “irá lutar” para que “haja algum tipo de determinação” a este respeito, ao mesmo tempo que apelou para que “neste momento de emergência não se distraia a atenção e possa haver uma resposta da União Europeia”, acrescentou ele.


[1] Según datos publicados a día 15 April 2021 por la DG AGRI  https://agridata.ec.europa.eu/extensions/DashboardWine/WineProduction.html