Portada » Notícia » A AREV congratula-se com o acordo alcançado sobre tarifas entre a UE e os EUA

A AREV congratula-se com o acordo alcançado sobre tarifas entre a UE e os EUA

A União Europeia e os Estados Unidos acordaram na terça-feira, 15 de Junho de 2021, numa escalada duradoura do conflito que os mantém à cabeça dos diários de bordo por causa dos subsídios concedidos à Boeing e à Airbus. Após quatro meses de tréguas nas sanções comerciais que aplicaram uns aos outros no âmbito deste pulso, optaram por uma prorrogação de cinco anos desta suspensão. “Pusemos fim à mais longa disputa comercial da história da OMC”, disse Ursula von der Leyen.

As duas partes acordaram num princípio de acordo baseado num financiamento público “equilibrado” para ambas as partes, e concordaram em criar um grupo de trabalho para finalizar os termos de um acordo.

Este é um gesto forte por parte da Europa e Washington que a AREV tem vindo a solicitar desde Outubro de 2019, quando a tributação punitiva e injusta começou como resultado de um problema não relacionado com o sector vinícola.

No entanto, as perdas do sector vitivinícola não foram compensadas e estão a acumular-se com os efeitos da COVID, Brexit e episódios relacionados com as alterações climáticas, tais como as geadas da Primavera.

De facto, a batalha sobre os subsídios ao sector da aviação resultou em desequilíbrios de sanções cruzadas. Depois de a OMC ter autorizado Washington a aplicar direitos aduaneiros sobre importações europeias no valor de 7,5 mil milhões de dólares, fez o mesmo à UE, sobre importações dos EUA, no valor de apenas 4 mil milhões de dólares. De facto, os produtores de vinho sofreram taxas de exportação de 25%, resultando numa perda de receitas para o sector estimada em cerca de 1,6 mil milhões de euros por ano. Outros produtos agrícolas europeus, tais como alguns queijos italianos e azeite espanhol, foram também tributados.

Do lado americano, estes laços transatlânticos mais estreitos são também o resultado de um desejo de formar um bloco contra a China. É assim que Joe Biden vê o acordo entre a Airbus e a Boeing: “Concordámos em trabalhar juntos para desafiar e contrariar as práticas não comerciais da China neste sector, que dão às empresas chinesas uma vantagem injusta”, disse ele.

É sem dúvida um grande passo para mudar o curso das relações comerciais transatlânticas.